GREI

GREI

Grupo de Estudos Interdisciplinares

Temos por propósito fundamental contribuir para a reflexão conducente ao diálogo interdisciplinar entre vários domínios do conhecimento, nomeadamente nas áreas das ciências, das artes e da filosofia.

segunda-feira, 10 fevereiro 2014 23:15

Filosofia para Crianças

Através de uma breve exposição, pretende-se salientar a importância do programa de “Filosofia para crianças”, criado em 1969 por Matthew Lipman - e colocado desde então em prática em diversos países -, mostrando como é que essa experiência pode contribuir para ativar o desenvolvimento psicológico das crianças, desde a idade pré-escolar.

Há crianças (...) que querem saber (...) porque é que nos lembramos do passado e não do futuro (...); e porque é que há um universo.
Ainda é habitual (...) os pais e os professores responderem [a estas] questões com um encolher de ombros (...).
Mas grande parte da filosofia e da ciência tem evoluído através de tais demandas.
Carl Sagan in Introdução a Uma breve história do tempo de Stephen Hawking (1987)

Contributo para a ativação do desenvolvimento do psicológico
Autor: Helena Sousa

terça-feira, 11 outubro 2016 09:47

OMNIA 5

Nota introdutória

A revisão por pares é um dos processos importantes para garantir a qualidade de uma revista académica.
É umprocesso que requer de todas as partes envolvidas, autores, avaliadores e editores, empenhamento e rigor paraque tudo decorra com qualidade nos prazos estabelecidos.
Num processo de revisão duplamente cego, onde as identidades dos autores e revisores são mantidas em segredo,os artigos terão de ser submetidos num prazo alargado até à sua validação e publicação.
Neste prazo, há umaprimeira análise aos critérios formais definidos pela publicação e só posteriormente os artigos são enviados deforma anónima para revisão aos avaliadores especialistas na respetiva área científica.
Apesar de existirem algumas falhas no processo, parece ser consensual o seu emprego, tendo em vista garantir adevida integridade e consistência dos artigos.
Ser revisor é um ato de voluntarismo que permite a melhoria daqualidade dos artigos e da publicação.
A OMNIA, num percurso de melhoria contínua da sua qualidade, agradece a todos os que têm colaborado noprocesso, pois só assim será possível num futuro próximo, ser integrada em coleções de carácter científico eincluída em repositórios de âmbito internacional.
Francisco Baptista Gil

As aprendizagens da imigração:
A interculturalidade nas salas de aula: o caso francês
Celina Martins Santos

ERASMUS personalities, a touristic opportunity?
The participant of ERASMUS programme: a student or unusual tourist?
Anabela Monteiro, Linda Ungure and Marika Graczyk

Resiliência em ação:
RESCUR, Currículo Europeu para a resiliência
Celeste Simões, Paula Lebre e Anabela Caetano

Reflecting, restoring, renewing:
Illuminating visits with Jules (Renard) and David (Foster Wallace)
Richard Raubolt

Pierre Hadot versus Michel Foucault:
Qual o significado de nove divergências fundamentais?
Carlos da Luz

Comunicar sem significar:
(Veritatis simplex oratio est)
Francisco Capelo

Prevenção do cancro do colo do útero:
Capacitação de mulheres de uma comunidade de Luanda
Maria da Conceição Martins da Silva, Irma da Silva Brito, Bebiana Calisto Bernardo,
Eurica da Natividade Sinclética Graça Neves da Rocha, Ana Maria José Garcia João Pascoal
e Judith Arminda Venâncio Candeias

A qualidade do estágio prediz a satisfação:
Estudo com alunos do ensino secundário profissionalizante
Vítor Gamboa, Maria Paula Paixão, Ida Lemos e Olímpio Paixão

COLORADD:
Um desafio com outros óculos!
Catarina Rocha, Ana Jerónimo e Ana Maria Albuquerque

Exames de diagnóstico não-invasivos:
A ansiedade percepcionada pelo paciente
Ana Cristina Neves

Turismo Rural:
A região centro de Portugal na perspetiva dos promotores turísticos
Ana Romeiro Gomes e Ana Isabel Renda

quarta-feira, 20 abril 2016 12:02

OMNIA 4

Nota introdutória

Com o número quatro da OMNIA, que agora é publicado, atingimos uma fase importante de consolidação do nosso projeto.
Importante em vários aspetos, mas sobretudo porque neste número iniciámos a publicação de artigos em inglês e espanhol.
Esta abertura a contribuições oriundas de um espaço alargado de autores e investigadores permitirá, esperemos, ampliar o diálogo e a partilha de experiências e pontos de vista.
O crescimento que temos verificado das contribuições e a necessidade de desenvolver outros temas ao diálogo interdisciplinar permitirá, já para breve, a definição num maior espaço de tempo para as chamadas de trabalhos.
Por outro lado, só a partir duma sólida consolidação do projeto, haverá a possibilidade de equacionar outras formas de reforço dos objetivos a que nos propomos, como seja a integração em sistemas de maior alcance, para a melhoria da disseminação dos nossos contributos de forma acessível a toda a comunidade científica.
Será, portanto, este número quatro, um ponto de partida, tendo em vista uma futura agregação da OMNIA, revista interdisciplinar de ciências e artes, em sistemas reconhecidos pela comunidade científica.
Francisco Baptista Gil

Buildings or Crypts:
Where do our haunting memories reside?
Richard Raubolt

Identidade, consciência e resiliência:
Repensar possíveis cruzamentos conceptuais no contexto eco-sistémico profissional
Carlos Marques Simões

Afrontando la controversia en la investigación cualitativa:
Discusión sobre la naturaleza de elementos metodológicos desde la investigación en educación
M. Cinta Muñoz Catalán e Rute Monteiro

Animação socioeducativa e envelhecimento ativo:
Reflexões em torno da promoção da saúde e prevenção da doença
Rosanna Barros e Rute Ralha-Simões

A educação lifewide e a cidadania democrática:
Também na Portela da Missa têm direito à aprendizagem
Joaquim Pastagal do Arco

A figura dialética do Outro:
A arte como motor da evolução
Orquídea Borges

Mente sã em corpo são:
Representação mental do corpo saudável e doente na criança
Maria do Rosário Dias e Ana Cristina Neves

Expressões Faciais e disfonia:
Um estudo exploratório junto de mulheres disfónicas
Paula Correia e Maria do Rosário Dias

Esclerose múltipla e psicoterapia:
A hipnose clínica como ferramenta psicoterapêutica
Alexandra Freches Duque

Desporto escolar:
Enquadramento histórico, jurídico e político
João Marreiros e Marisa da Graça Claro

sexta-feira, 16 outubro 2015 11:36

OMNIA 3

Nota introdutória

Neste terceiro número da OMNIA publicamos artigos sobre educação, saúde e qualidade de vida. Temas que nos conduzem àquele que pode ser considerado o grande objetivo das sociedades ocidentais: o bem-estar geral, isto é: o bem-estar de todos e de cada um.
O primeiro texto é de autoria de Mary Rangel e Jéssica Rodrigues que nos apresentam um estudo que destaca a importância da garantia dos direitos a todos os cidadãos, sem privilégios e sem discriminações para a construção e manutenção de uma sociedade democrática e plural, a partir da análise da Constituição Brasileira.
Rute e Helena Ralha-Simões, propõem uma reflexão crítica sobre os novos desafios do significativo acréscimo da população idosa nas sociedades ocidentais, problematizando os diversos caminhos que conduzem à qualidade de vida dos mais velhos.
Por sua vez Nora Cavaco apresenta-nos um texto que aborda o autismo numa perspetiva neuropsicológica de avaliação e reabilitação.
Luciany Faray Ferreira e Maria Helena Martins propõem-nos uma reflexão sobre os contributos da coparentalidade, coesão e adaptabilidade para a resiliência familiar em resposta às necessidades advindas do nascimento de uma criança com necessidades educativas especiais.
Nuno Murcho, José Eusébio Pacheco e Saul Neves de Jesus apresentamnos um estudo de validação de um instrumento que permite avaliar a variável que pretende medir os sintomas de mal-estar relacionados com o trabalho.
Estudo efetuado em várias unidades hospitalares localizadas no Algarve (Portugal).
Luís Vieira, Alicia Saxe, e Sara Gonçalves apresentam-nos dois estudos onde se avaliam os contributos de diferentes intervenções de educação positiva no bem-estar subjetivo, propondo o debate e a reflexão sobre a eficácia da adoção de diferentes estratégias de educação positiva em contexto escolar.
Jorge Malveiro e Saul Neves de Jesus apresentam-nos um estudo comparativo da perceção da qualidade de vida em idosos institucionalizados.
Estudo comparativo efetuado com idosos residentes da Aldeia-lar de S. José de Alcalar em Portimão (Portugal), idosos residentes em Lares de Idosos, e idosos utentes de Centros de Dia/Convívio.
Finalmente, Nathália Brandolim Becker e Maria Geralda Viana Heleno apresentam-nos um estudo de caso para avaliar a qualidade de vida, a dinâmica psíquica e os níveis glicémicos de uma pessoa com Diabetes Mellitus de tipo 2, participante de um grupo psicoeducacional.
Um ano após a saída do nosso primeiro número, esperemos que este projeto se possa agora consolidar e que a chegada de novos colaboradores possa contribuir para uma maior pluralidade de temas e a sua integração recíproca.
Francisco Baptista Gil

Os direitos fundamentais no Brasil
Como referências à qualidade de vida
Mary Rangel e Jéssica do Nascimento Rodrigues

Envelhecimento e qualidade de vida
Para além da integridade e do desespero
Rute Ralha-Simões e Helena Ralha-Simões

Autismo
Uma perspetiva neuropsicológica
Nora Almeida Cavaco

A família da criança com NEE
Resiliência familiar: contributos da coparentalidade, coesão e adaptabilidade
Luciany Faray Ferreira e Maria Helena Martins

O mal-estar relacionado com o trabalho
Estudo das propriedades psicométricas de um inventário de sintomas (ISMERT)
Nuno Murcho, José Eusébio Pacheco e Saul Neves de Jesus

Educação positiva e bem-estar subjetivo
Impacto de diferentes estratégias no 1.º ciclo do ensino básico
Luís Sérgio Vieira, Alicia Brianna Saxe e Sara Gonçalves

A percepção da qualidade de vida
Um estudo comparativo de idosos institucionalizados
J. A. Malveiro e Saul Neves de Jesus

Diabetes Mellitus tipo2:
Qualidade de vida, educação e equilíbrio psíquico
Nathália Brandolim Becker e Maria Geralda Viana Heleno

quinta-feira, 30 abril 2015 11:08

OMNIA 2

Nota introdutória

As chamadas sete “artes liberais” que na Idade Média correspondiam ao “trivium” (gramática, retórica e lógica) e ao “quatrivium” (geometria, aritmética, música e astronomia), formavam a base educativa para os poucos, muito poucos, que depois se especializavam em áreas como a medicina, o direito ou a teologia.
Com o tempo, as áreas de especialização foram englobando outras disciplinas como a filosofia, a literatura e a história na área das humanidades e a biologia, a física e a química na área das ciências, entre outras.
Com o desenvolvimento do conhecimento e a democratização do acesso à educação formal, as áreas disciplinares ampliaram-se gradualmente, ganhando autonomia e levando à fragmentação do universo teórico do conhecimento, constituindo-se hoje como um conjunto de diferentes áreas do saber, grande parte das vezes isoladas e fechadas sobre os seus próprios paradigmas.
Parecerá artificial a falta de interligação das diferentes disciplinas – as partes – no universo do conhecimento – o todo. Contudo, é a característica estanque das partes que tem fortalecido a disciplinaridade como ilhas.
Tratar-se-á de questões de comunicação e de poder, dizem alguns. É possível. A proposta de uma revista interdisciplinar de ciências e artes terá a presunção de destacar mais os pontos de contacto entre as diferentes áreas disciplinares e tentar ultrapassar as falhas de comunicação. No entanto a tarefa não será fácil. Neste número não temático da OMNIA, o conjunto de artigos em várias áreas disciplinares não é por si só sinónimo de interdisciplinaridade. Não. Ao fim e ao cabo, os espaços onde os autores têm desenvolvido os seus trabalhos, desenvolvendo as diferentes especializações e os códigos comunicacionais entre os seus pares, não facilitam abordagens muito diferentes dos fenómenos estudados.
Para nós ficará, no mínimo, a tentativa de querer inverter esse carácter estanque da disciplinaridade. Interdisciplinaridade.
Porque não sabemos ainda o que é nem como se faz, voltaremos em breve ao tema, com certeza.
Francisco Batista Gil

Arte e ciência:
Arte e ciência: Pontes para uma aproximação
Saul Neves de Jesus e Pedro Cabral Santo

Interdisciplinaridade e mediação intercultural:
Knowles, Freire e Apostel revisitados
Rosanna Barros

A humildade e a esperança:
Fatores de resiliência na práxis humana?
Joana Freitas e Maria Helena Martins

Contribuição do Social Marketing na mitigação das alterações climáticas:
Uma revisão da literatura focalizando a relevância da mudança comportamental
Andrea Saraiva e Patrícia Oom do Valle

Gays, lésbicas e saúde mental:
Uma revisão sistemática da literatura
Sérgio da Borralha e Patrícia Pascoal

Luz e som:
Ecos transparentes de comunicação
Ana Maria Albuquerque, João Marreiros, Susete de Góis Ornelas e Miguel Neiva

Biograficidade e identidades de aprendizagem:
Educadoras de adultos na serra algarvia
Joaquim do Arco e António Fragoso

Animais versus plantas e estudo do meio:
Estudo comparativo de oito manuais escolares de duas editoras portuguesas
Francisco P. Rodríguez-Miranda, Mónica Alexandra Luís e Rute Monteiro

Educar na diversidade:
Promover ambientes inclusivos na escola
Ana Godinho

(In)sucesso escolar:
Influência de fatores mediadores nos resultados académicos
Ana Martins

sexta-feira, 31 outubro 2014 11:08

OMNIA 1

Nota Introdutória

Os meios tecnológicos, cuja utilização nos últimos anos se tem massificado, nomeadamente no que respeita ao uso de computadores, tablets e smartphones, têm criado condições para o aparecimento de novas plataformas para a disseminação de conteúdos e para o desenvolvimento de novas redes de comunicação.
Foi na base desse entendimento, duma sociedade dos media como refere McLuhan, em que os dispositivos eletrónicos se constituem cada vez mais como extensões do próprio indivíduo, que procurámos criar e desenvolver um espaço virtual como ponto de partida para a partilha, reflexão e estudo interdisciplinar nas diferentes áreas do saber.
Em junho de 2013 demos início ao nosso projeto em linha, com a primeira publicação eletrónica dos Cadernos do GREI.
Textos de cariz científico, construídos numa perspetiva interdisciplinar. Até ao presente já foram publicados 20 volumes. O modelo dos cadernos tem exigido aos seus autores grande disciplina formal, o que para determinadas abordagens poderá condicionar uma participação mais alargada e plural, limitando de alguma forma o espaço de intervenção e reflexão que está na base desta iniciativa editorial.
Dessa forma, propõe agora o GREI - Grupo de Estudos Interdisciplinares, alargar o âmbito da participação, permitindo através da edição semestral da OMNIA, revista interdisciplinar de ciências e artes, a publicação de textos e artigos cujas componentes estética e formal possam ser de facto mais flexíveis.
Este novo projeto do GREI prevê a edição anual de dois números de acesso livre através da plataforma grei.pt sendo que um deles será temático, visando o aprofundamento por pares de assuntos mais circunscritos e o segundo de tema aberto, plural e diverso.
Esperamos pela vossa recetividade e pela vossa interação e participação.
Francisco Batista Gil, editor

Que caminhos para a resiliência?
Dos equívocos e controvérsias às promessas ainda por cumprir
Helena Ralha-Simões

Desenvolvimento humano e resiliência:
Pessoalidade e profissionalidade do educador resiliente
Nora Almeida Cavaco

À luz da resiliência:
O riso e a perda na educação para a saúde
Ana Maria Albuquerque

Contextualizar a delinquência juvenil:
Para uma intervenção centrada nos recursos de resiliência
Ida Lemos

Resiliência, saúde e educação:
Uma revisão de literatura de publicações periódicas brasileiras entre 2009-2013
Mary Rangel & Carolina Silva Sousa

Resiliência e psicomotricidade na educação pré-escolar:
Um estudo com crianças socio, cultural e economicamente desfavorecidas
Maria de Lourdes Cró & Lívia Andreucci

Resiliência e auto-conhecimento:
O desenvolvimento psicológico no contexto das turmas de currículos alternativos
Carla Fonseca Tomás

A resiliência no contexto da supervisão:
Sua relevância no desenvolvimento pessoal e profissional dos futuros professores
Marília Dias

domingo, 01 setembro 2013 10:18

Psicologia da Espiritualidade

A espiritualidade surge interligada com momentos-chave do ciclo de vida na busca de respostas, além do aqui e agora, que deem significado às vivências dos sujeitos que, face ao sofrimento, recorrem ao Transcendente como estratégia adaptativa. Assim, uma intervenção psicológica eficiente deve assumir o desenvolvimento pessoal numa perspetiva global, integrando, além das dimensões cognitiva, emocional e física, a dimensão espiritual.

Nós não somos seres humanos a ter uma experiência espiritual. Somos seres espirituais a viver uma experiência humana. 
Pierre Teilhard de Chardin , in The Phenomenon of Man 

Revisão teórica, conceitos emergentes e principais desafios
Autor: Carla Fonseca Tomás

quinta-feira, 20 junho 2013 11:08

Atitudes Parentais e Resiliência

No presente texto aborda-se a qualidade da parentalidade enquanto fator de resiliência no adolescente e destaca-se a importância do afeto e das práticas educativas. Presume-se ainda que o modo como são percecionadas as atitudes parentais pode contribuir para o desenvolvimento de capacidades resilientes, a fim de propiciar recursos que capacitam no sentido de enfrentar a adversidade.

Se uma imaginação ilimitada quanto ao que poderemos vir a tornar-nos constitui uma herança da idade lúdica, então é ainda mais evidente a boa vontade que o adolescente demonstra, ao depositar a sua confiança nos seus pares e nos mais velhos que o guiam - ou que o ajudam a perder-se - e que fornecerão às suas aspirações um campo de ação imaginário ou mesmo ilusório.
Erik Erikson, in Adolescência e crise

As práticas educativas e o desenvolvimento psicológico dos adolescentes
Autor: Nora Almeida Cavaco

sexta-feira, 31 julho 2015 12:08

Triangular Conceitos

O conhecimento já produzido nem sempre (ou quase nunca) é descartável. Contém sempre um património epistemológico “aproveitável”. Por vezes necessita de ser revisitado numa perspetiva recuperante, crítica e capitalizante.

É o que fazem os autores deste livro munidos de uma arma essencial que é a busca da coerência epistemológica da sua produção. É este exercício que (…) nos oferecem de forma séria, descomprometida com as agendas políticas da investigação e produção do conhecimento científico e que tem como título Triangular Conceitos: desenvolvimento, maturidade, competência.

(…) Trata-se de um livro que se recomenda tanto a profissionais como a aspirantes a profissionais da educação. 

Nele, o leitor identificará de forma auto-reflexiva as razões dos seus comportamentos, das suas decisões, das suas (des)motivações e até dos seus êxitos e fracassos profissionais.

Autores: Carlos Marques Simões e Helena Ralha-Simões

Poderá ser adquirido em:

Triangular Conceitos - SitiodoLivro.pt

Pág. 3 de 3

Não quer perder as novidades? Subscreva

Nome*
Email*

Nós não enviamos spam para sua caixa de correio.

Confirmo*

que li e aceito a Política de Privacidade

Subscrever