Maria Helena Martins

Maria Helena Martins

Professora Auxiliar na Universidade do Algarve, Faculdade de Ciências Humanas e Sociais, onde exerce funções docentes e de investigação desde 1999. Foi subdiretora da Faculdade de 2011 a 2013 e Diretora da Licenciatura em Psicologia de 2009 a 2014. É atualmente Coordenadora do Gabinete de Apoio ao Estudante com Necessidades Especiais da Universidade do Algarve. É formada em Educação Pré-Escolar pela Escola Normal de Educadores de Infância de Évora, tendo-se licenciado em 1991 em Psicologia Educacional pelo Instituto Superior de Psicologia Aplicada de Lisboa. Concluiu o Mestrado em Educação Especial na Faculdade de Motricidade Humana, Universidade Técnica de Lisboa em 1996. Em 2006, doutorou-se em Psicologia da Educação pela Universidade do Algarve.

Os seus principais interesses integram temáticas como a Inclusão e Políticas Educativas, Inclusão e Ensino Superior, Avaliação e Intervenção em Educação Especial, Perturbações Neurodesenvolvimentais, Necessidades Educativas Específicas e Deficiências, a Avaliação e Intervenção Precoce, a Resiliência e Vulnerabilidade Desenvolvimental, Fatores de Risco e de Proteção no Desenvolvimento Humano, Saúde, Bem-estar e Psicologia Positiva, Velhice, Envelhecimento, Gerontologia e Resiliência, a Sexualidade e a Deficiência e outras Perturbações Neurodesenvolvimentais.

Para além da docência, tem orientado teses de Pós-Doutoramento, Doutoramento, Mestrado, Estágios na área da Psicologia, da Educação Especial e da Educação Pré-Escolar.

Tem publicado artigos científicos em diversas revistas nacionais e internacionais e capítulos de livros em Portugal e no Brasil.

Tem diversas comunicações e apresentações em Seminários, Congressos e Formações, em Portugal, Espanha, Grécia, Itália, Brasil, México.

ORCID - Connecting Research and Researchers

Email: mhmartin@ualg.pt

Outras publicações:



Intervencao Precoce e a Crianca com Sindroma Down

Martins, M. H. (2000). 

Contributos para uma Análise Avaliativa da Intervenção Precoce – As representações dos Profissionais. In F., Ramos Leitão (org.).

A Intervenção Precoce e a Criança com Síndrome de Down – Estudos sobre Interação. pp. 177- 202, Coleção Educação Especial, Lisboa: Porto Editora.

 

Escola Inclusiva e Apoios Educativos

Martins, M. H. (2000). 

Apoios Educativos e práticas pedagógicas. In S. Neves de Jesus & M. Helena Martins (org.).

Escola Inclusiva e Apoios Educativos, Cadernos do CRIAP, pp. 11- 26. Lisboa: Asa Editores.

 

 

Educação- Especial Em direção à Educação Inclusiva

Martins, M. H., Almeida, A. S., Jesus, S. N. (2012). 

Da Educação Especial à Escola Inclusiva. In C. Dieter Stobaus & J. José (org.).

Educação Especial -– Em direção à Educação Inclusiva., pp. 11- 26. Lisboa: Asa Editores

 

 

Resiliência: novos olhares face aos desafios do nosso tempo.

Martins, M. H. (2018).

Envelhecer com Resiliência w Sabedoria – Podem os ganhos compensar as perdas nesta etapa da vida?.

In H. Ralha-Simões (Org.) Resiliência: novos olhares face aos desafios do nosso tempo.

Lisboa: Edições ex-Libris (Chancela Sítio do Livro).

 

Construindo a Educação Inclusiva

Martins, M. H. (2020).

A Vinculação: porto seguro para o desenvolvimento da criança com deficiência ou em risco desenvolvimental.

In C. Luísa e Maria Leonor Borges (Coord.).  Construindo a Educação Inclusiva: Teoria e Prática., pp 155-170.

Lisboa: Edições Papa-Letras.

terça-feira, 09 junho 2015 13:48

Educar para a Paz

A Educação para a Paz é sem dúvida uma das grandes preocupações deste milénio, dado que um dos desafios mais importantes da humanidade passa por escolher os meios capazes para alterar atitudes, valores e comportamentos de forma a promover a construção de uma cultura de paz e de resiliência que permita eficazmente ultrapassar as adversidades que surgem no dia-a-dia.

Com mãos se faz a paz se faz a guerra, com mãos tudo se faz e se desfaz (…).
E cravam-se no Tempo como farpas, as mãos que vês nas coisas transformadas.
Folhas que vão no vento: verdes harpas.
De mãos é cada flor, cada cidade. Ninguém pode vencer estas espadas: nas tuas mãos começa a liberdade.
Manuel Alegre in O Canto e as Armas (1967)

Importância de promover os pilares da resiliência educacional.
Autor: Maria Helena Martins

quinta-feira, 12 fevereiro 2015 01:59

Envelhecimento e Resiliência

Nas últimas décadas o envelhecimento populacional a nível mundial, aliado ao aumento da prevalência de doenças relacionadas com a idade tem despertado grande interesse pelas suas consequências multidimensionais. Não obstante as adversidades e perdas que se colocam ao idoso, é fundamental que esta etapa seja vivida com maior qualidade e resiliência, constituindo-se como um dos grandes desafios do século XXI.

(...) tenho a velhice diante de mim e tenho medo de tê-la deixado para trás.
O mundo que corresponde aos meus anos e ao meu corpo é muito diferente, porque a velhice é o mundo da verdade cansada, embora não da idade esmagada; (...) não sinto o peso da idade no espírito, embora o sinta no corpo.(...) mas o espírito está vigoroso e (...) afirma sem pejo que esta idade é a flor dos seus anos.
Séneca, Elogio da Velhice , in Cartas a Lucílio (63-64 d.C.)

Perspetivas para a reabilitação do idoso.
Autor: Maria Helena Martins

quinta-feira, 20 fevereiro 2014 23:23

Resiliência Familiar

As investigações sobre a resiliência iniciaram-se com estudos sobre indivíduos que sobreviveram a traumas e adversidades, alargando-se recentemente ao domínio da família. O conceito de resiliência familiar designa os processos de superação e adaptação da família como unidade funcional e permite compreender como estes processos moderam o stresse e possibilitam às famílias fazer face às adversidades e superar as crises.

É dificil [viver] em tempos como estes: crescem dentro de nós ideais, sonhos e esperanças, que são esmagados pela cruel realidade.
É de admirar que eu ainda não tenha abandonado todos os meus ideais, pois parecem tão absurdos e impraticáveis.
E no entanto agarro-me a eles porque ainda acredito, (...), que as pessoas são verdadeiramente boas(...).
Anne Frank in Diário (1944)

Revisão teórica, conceitos emergentes e principais desafios.
Autor: Maria Helena Martins